Marcos Silveira Buckeridge – ACIESP

Membros & Equipe

Marcos Silveira Buckeridge

Data de Nascimento:

28/03/1960

Ano de Posse:

2009

Compartilhe este perfil:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin

Pesquisar por nome

Marcos Buckeridge foi Pesquisador Científico do Instituto de Botânica da Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo por 20 anos. Em 2006 se mudou para a USP, onde hoje é Professor Titular do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. Foi Presidente da Associação dos Estudantes e Pesquisadores na Grã-Bretanha (1993 e 1994) e Presidente da Sociedade Botânica de São Paulo por dois mandatos (2001 à 2005). Entre 2015 e 2019 Buckeridge foi presidente da Academia de Ciências do Estado de São Paulo. Em outubro de 2018 foi eleito Diretor do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo. É membro do Instituto de Estudos Avançados da USP, onde criou e coordena o programa USP-Cidades Globais. O trabalho de Buckeridge já gerou 4 livros, 8 patentes, mais de 50 teses de mestrado e doutorado e mais de 180 publicações científicas em fisiologia, bioquímica e biologia molecular de plantas. Foi membro fundador do Programa BIOEN-FAPESP e de 2009 à 2012 foi diretor Científico do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) em Campinas. Desde 2008 Buckeridge é diretor do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (INCT do Bioetanol). Seu grupo desvendou a estrutura química da parede celular da cana de açúcar e do miscanthus, duas das mais importantes gramíneas usadas para bioenergia. Seu trabalho sobre a parede celular vegetal o levou a propor a Teoria do Código Glicômico. Seus estudos sempre tiveram ênfase na investigação de plantas nativas de vários biomas brasileiros (Amazônia, Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga), de plantas cultivadas (cana, milho, soja, feijão, laranja e outras) e em ambiente urbano. Desvendou mecanismos fisiológicos e vias metabólicas relacioadas à sinalização dos carboidratos para o desenvolvimento vegetal. Seu trabalho hoje tem como enfoque principal a biologia de sistemas, principalmente com a aplicação da teoria de redes para compreender o funcionamento da planta como um todo. Realizou estudos pioneiros sobre como as plantas brasileiras respondem ao aumento de CO2 atmosférico e mais recentemente a combinações entre CO2, estresse hídrico e temperatura, elucidando mecanismos fundamentais das respostas de plantas às mudanças climáticas. Hoje desenvolve também pesquisas relacionadas às Ciências Urbanas Aplicadas, trabalhando principalmente no desenvolvimento de Políticas Públicas embasadas em conhecimento científico para aplicação no ambiente urbano. Em 2010, Buckeridge foi selecionado como um dos autores líderes do Fifth Assessment Report (AR5), publicado em 2014 pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). Em 2017, se tornou o único cientista radicado no Brasil a participar como autor do Relatório Especial 1,5C Warming Word do IPCC, publicado em dezembro de 2018.